24 de julho de 2017

Óleo de Coco – Mitos e verdades

Você lembra que a nossa Dica da Nutri de 15/05/2017 foi sobre óleos e gorduras?
Hoje falaremos um pouco mais do óleo de coco!
Primeiro vamos lembrar que uma alimentação saudável e equilibrada é aquela que não condena nenhum alimento, como as vezes acontece com as gorduras. No caso do óleo de coco tem acontecido o contrário e ele tem sido citado como emagrecedor e até milagroso…
Segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e a Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso) e a Associação Americana do Coração (AHA) esse óleo possui altos níveis de gordura saturada e não é indicado em dietas para perda de peso. Assim como os estudos feitos até hoje não comprovaram que ele seja realmente eficiente na melhora dos níveis de colesterol.
O óleo de coco é rico em gordura saturada, sendo a maior parte (45%) de ácido láurico, que é um ácido graxo de cadeia média e justamente ele é apontado como o maior benefício. Essa gordura é também encontrada no leite humano, tem grande atuação anti-inflamatória, antibiótica, antifúngica, estimula o sistema imunológico e pode contribuir para a elevação do HDL (“colesterol bom”).
Em contrapartida, fala-se muito sobre gordura saturada na alimentação e a sua relação com o aumento do LDL (“colesterol ruim”). Quem é contra o óleo de coco, muitas vezes generaliza e compara a gordura saturada presente nos produtos animais com a gordura saturada do coco. Contudo, devemos saber que a digestão é muito diferente para cada alimento, assim como é muito individual o processo digestório completo em cada organismo humano. Essa comparação direta estará sendo justa?
Podemos concluir que ainda serão necessários muitos estudos científicos sérios e bem conduzidos em seres humanos para justificar todos os benefícios e malefícios desse alimento. Contudo, o bom senso é sempre bem vindo: vamos sim incluir o óleo de coco, principalmente do tipo extra virgem, na nossa alimentação, sempre atentos em variar com outros tipos de óleos e gorduras, como encontramos no azeite, na canola, no girassol, na manteiga Ghee, nas castanhas, nozes e amêndoas, no abacate, alguns peixes, etc. A diversidade, a variedade e comer com moderação são o melhor conjunto para a nossa boa saúde!
Dica: Podemos usar o óleo de coco para cozinhar qualquer tipo de receita, lembrando que seu sabor e aroma são bem característicos. Ele tem uma boa resistência ao calor e combina bem com pratos onde já usamos o coco (na forma de flocos, leite) ou também nos pratos à base de peixes.